segunda-feira, outubro 31, 2005

A mim não me enganas


Foto: Haraz N. Ghanbari/AP

Homenagem a Rosa Parks
Nicholas McCauley, sobrinho-neto de Rosa Parks, olha para o Presidente George W. Bush que, de olhos fechados, presta homenagem à activista dos direitos cívicos dos negros no dia do seu funeral no Capitólio, em Washington. Parks foi presa em 1955 por se ter recusado a dar o seu lugar no autocarro a um homem branco, em Montgomery.

in Público | 31 Outubro 2005

Não resisto a tentar adivinhar o que cada um pensava nesta altura. Bush "A ver se isto acaba depressa que ainda tenho de nomear alguém para o Supremo Tribunal". Nicholas: " A mim não me enganas".

domingo, outubro 30, 2005

Maratona de Leitura




O que fazer numa tarde de Sábado? Quero aproveitá-la bem, raramente tenho assim tempo livre e não o vou desperdiçar em casa a ver um filme onde o cão fala ou as meninas gémeas foram separadas à nascença e uma é rica e outra pobre. E então descubro a Maratona de Leitura da Culturgest. Acontece todos os anos, numa tarde de Outono, como esta, onde as vozes que lêem muitos e diferentes livros se sobrepõem ao barulho da chuva lá fora. O tema: Amor. Os autores: Fernando Pessoa, José Saramago, David Mourão-Ferreira, Luiz Pacheco, Gabriel Garcia Marquez, Luis de Camões. Escolhemos o nosso percurso: o espaço da culturgest está dividido por números que correspondem a "leitores" e a livros. Entro primeiro na sala das crianças: a menina que fazia o Jardim da Celeste não lê. Interpreta a história e faz da sala um palco. Na plateia, os meninos e meninos ouvem com atenção. Um menino deita-se em cima da mesa, por baixo, a fazer o pino, cambalhotas. Mas não faz barulho.


Depois sigo para a sala onde o senhor conhecido da novela ia começar a ler uma das histórias do "Três Histórias de Amor". Lê mal. Mas a história é boa, fico até ao fim. Segue-se um canto onde se lê poesia. Rápido. Curto. E o senhor desafia quem ali passa a ler qualquer coisa. Fugimos antes que nos calhasse a batata quente. Próxima paragem: o cantinho do voluntário. E um senhor cuja cara penso que conheço lê um longo excerto da Bíblia num papel minúsculo. "Obrigada, boa tarde". E sai. Num dos palcos da Culturgest transformado em sala ouviria-se Dom Quixote daí a minutos. Não me apeteceu ouvir a história toda.

E chego à sala 7. O narrador está encostado à parede, de costas para a porta. Pessoas sentadas no chão, sorrisos, sobrancelhas atentas, está calor. "Eu conheço-o". O narrador era o "papa-concursos", um homem que há uns anos concorreu a quase todos os concursos que existiam e ganhou na maior parte das vezes. Usava uma gravata com porcos. E aqui, nesta sala, ouço-o a falar da "Tusa" do Luiz Pacheco, a bailarina exótica do não menos exótico escritor.

Claro que havia mais. Uma senhora lia a "Odisseia" de Homero. Um senhor o "Amor em Tempos de Cólera" de Gabriel Garcia Marquez. Uma senhora que do alto da sua cadeira de rodas perguntava incessantemente se podia "aqui ler mais um". E, encostado ao pilar, um velhote, cabelos escassos, brancos, casaco e gravata azul, meias a condizer, pedia para ler. "É um poema da minha autoria".

Que coisa preciosa me calhou neste Sábado à tarde.

Não acredito ou enquanto há vida esperança?

A Lu vai aproveitar a quebra no seu Curriculum jornalístico para voltar ao maravilhoso mundo do telemarkting para ganhar dinheiro para tirar a carta!!! Estou incrédula! Incrédula, que alguém que anda à boleia ou de táxi (porque não lhe apetece esperar pelo próximo autocarro), e que o faz com orgulho, vá finalmente render-se às evidências!!! Depois, desconfio que não ficará "desempregada" muito tempo, e que no 1º dia de telemarkting receba uma proposta de um jornal qualquer, e se isso não se verificar, desconfio que os tostões vão ser empregues numa viagem qualquer, de transportes públicos, claro, porque a carta de condução essa vai ter de esperar mais um bocadinho...
Mas ainda assim Lu, se depois de todas as minhas previsoes falharem, quem te vai impedir não te tirar a carta, mas de circular na via pública sou eu!!! Ou então, limito-me a esperar, que graças à tua distracção passes uns quantos vermelhos, traços contínuos e fiques sem carta num instante!!!! :P

Time always kills the pain


sexta-feira, outubro 28, 2005

Eles lá sabem (?)

Segundo o America's National Bureau of Economic Research, 29 anos é a idade ideal para ter a melhor experiência de uma vida, ou conseguir atingir um grande objectivo, porque é nesta altura que se atingem os níveis perfeitos de energia e educação.

Não me vou alongar muito mais, ainda estou a matutar nisto..., talvez aos 29 chegue a alguma conclusão.

quarta-feira, outubro 26, 2005

Interlúdio (II)

http://www.fun.from.hell.pl/2002-05-28/naukajazdy.html

Só acredita quem quer, mas...

... acho que vou considerar uma provocação pessoal. Isto a propósito das previsões para o mês de Novembro do signo Leão. Ora aqui vai:

Quando estiveram juntos anteriormente, a relação não resultou porque estavam a tentar seguir direcções diferentes e tinham ideias distintas sobre o vosso futuro. Porém, a presença de Saturno no seu signo, desde o Verão, teve grande influência na sua perspectiva sobre as coisas e, assim, quando se encontram novamente é tudo muito melhor. Será altura de dar à vossa história uma segunda oportunidade? Pode ser que sim.


(in revista ELLE)

terça-feira, outubro 25, 2005

Não esquecer

Essencial antes de formatar um pc:

- fazer backup em cds/dvds;
- confirmar se ficou devidamente gravado;
- apagar definitivamente do pc os ficheiros altamente pessoais.

Consequências de um blog

Deixei de escrever no meu diário.

(A última vez, datava de 16 de Novembro de 2004.)

segunda-feira, outubro 24, 2005

Interlúdio

www.radioireland.ie/audio/giftjose.wma

roubado ao JCR.

Coimbra


Sexta-feira passada aí fui eu, A1 acima rumo à desconhecida Coimbra, da qual só reservava na memória a enorme biblioteca da Universidade. Uma chuvada do caraças, o mapa com o caminho até à Universidade feito pelo GPS do António no porta-bagagens, mas enfim… lá cheguei ao destino.
Senti um friozinho na barriga, confesso, ao entrar na Rua da Sofia e ao ver estudantes por todo o lado… comecei a pensar que no impresso de candidatura à faculdade devia ter colocado Coimbra em primeiro lugar… mas pronto, estava em cima da hora e não pensei mais nisso.

Entrada da sala 1, um bando de homenzinhos com cara de bancários, gestores e eu a pensar “mas onde é que me vim meter?!” Esperei, esperámos todos, e enquanto isso admirava a vista… uma vista bonita sobre a ponte nova que ainda não sei o nome… Ao fim de uma hora à espera lá aparecem os Ilustres Professores de Coimbra, aqueles que na sua maioria só conhecia dos livros… respirei fundo e pensei “que sera, sera!”

Uma seca, foi o que foi! A história de “sucesso” do BPI!!! Só me apetecia gritar socorro e disse para mim mesma que se a aula de sábado fosse igual, mudaria muito rápido para a pós-graduação de Direito do Desporto, bem mais interessante do que Bancário, Bolsa e Seguros!!!
Finalmente acabou. Fui ter com a Lu, e os seus amigos, que me ofereceram guarida. Como seria de prever não consegui ficar em casa, e fui com eles para a Latada! Copos, música, e de novo muita chuva. Chegámos a casa encharcadas porque alguém se lembrou de andar a saltar pocinhas, e dormi 2h. Fui, ainda meio abananada, para a aula de Direito Europeu da Banca, Bolsa e dos Seguros! (uff! Até a escrever esta porcaria custa!) A aula foi soft, o Professor muito acessível, ao estilo “para meninos de 2 anos”; chegou ao cúmulo de explicar o que é uma sinédoque(!!!) a propósito do título do seu livro! Enfim, pelo menos fez-me pensar que posso contar com ele quando realmente precisar de ser ensinada como uma menina de dois anos!
Bom, mas o que queria mesmo dizer era… PORQUE É QUE EU NÃO TIREI O CURSO EM COIMBRA??? É claro que, provavelmente, se assim tivesse sido ainda lá estaria…mas aquela cidade tem mesmo qualquer coisa! Respira-se espírito académico nas ruas, espírito académico e mais qualquer coisa que não sei explicar… Sei que foi muito bom sentir-me a ir rumo ao desconhecido. Fiquei a imaginar como teria sido chegar ali há seis anos atrás, caloira, com uma data de tralha atrás… Na verdade, com este aspecto de caloira que ainda preservo, quando perguntei pela Faculdade de Direito, achei que foi isso que as pessoas pensaram e não sei se por isso ou por outra coisa qualquer foi isso mesmo que senti!

Enfim… espera-me um ano de fins-de-semana em Coimbra, (desta vez não vai haver desculpa para não ir à queima…) nos quais vou tentar aproveitar um bocadinho aquilo que perdi… bem sei que ao fim-de-semana não é a mesma coisa, mas ainda assim… valerá a pena, tenho a certeza! Já começou a valer!

sábado, outubro 22, 2005

Quando a cabeça não tem juízo...

...o blog é que paga!

S.O.S.

Subscrevo o post dele, porque as suas preocupações já foram as minhas. Algum dia chegaremos lá, recuso-me a aceitar que as noites que passei sem dormir foram em vão. É verdade que quem sabe como o fazer esconde para si o processo completo, quase comparável ao mistério dos pastéis de Belém. Enfim, gostaríamos que uma alma solidária nos ajudasse nesta tão nobre causa que é colocar música num blog. Obrigada.

sexta-feira, outubro 21, 2005

À descoberta

Fui , através daqui, pelo caminho passei por aqui, e perdi-me por outras paragens... Perguntei pelo caminho aqui, disseram-me para ir para ali, e agora continuo perdida... Gosto de viajar!

Motivo para ficar acordarda até mais tarde numa 5ª feira à noite


A série Las Vegas (TVI depois de todas as novelas e companhias...).



Com o actor Josh Duhamel!!!



quinta-feira, outubro 20, 2005

A CAPA



A capa da revista Rolling Stone, de 22 de Janeiro de 1981, com uma imagem de John Lennon e Yoko Ono, foi votada pela American Society of Magazine Editors como a melhor dos últimos 40 anos. A imagem foi captada por Annie Leibovitz em Dezembro de 1980 no último dia da vida de Lennon.

Falta-me


Não fui ver. Era hoje às 18h30 no Grande Auditório da Culturgest. Sim, o DocLisboa. Não, ainda não fui ver nenhum filme. Mas sim, quero ir ver. Mas este que me pôs a pensar não pude ir ver. "Falta-me pede aos habitantes da área metropolitana de Lisboa que escrevam numa ardósia o que mais lhes faz falta." Fiquei a pensar nisso. O que será que me faz falta? O que será que valeria a pena escrever num quadro preto com pau de giz branco e mostrar ao mundo? E então lembro-me e vejo as palavras desenharem-se na ardósia com uma caligrafia perfeita: "TU fazes-me falta".

quarta-feira, outubro 19, 2005

Às vezes só me apetece dizer que

Nunca vou arranjar unhas. Vou sempre roê-las. Nunca vou usar saltos altos. Vou ser sempre impaciente. Precipitada. Vou querer sempre fazer tudo o que há para fazer. Vou sempre achar que tenho de dizer o que estou a pensar, sem pensar. Vou sempre rir às gargalhas e chorar pelas coisas mais insignificantes. Vou sempre ficar nervosa, dores na barriga, não dormir na noite anterior. Vou ser sempre exagerada. Distraída. Observadora. Nunca me vou preocupar com maquilhagem, cremes para o cabelo, creme para as pernas, creme para as mãos. Vou sempre sonhar com Paris. Vou sempre decorar as letras das músicas. Nunca me vou lembrar do nome dos autores das teorias do jornalismo. Vou ser sempre exigente. Vou ter sempre mau feitio. Vou sempre sonhar alto. Só porque eu sou ESSE tipo de pessoa.

terça-feira, outubro 18, 2005

Hoje é um dia triste

A pressão venceu.

Intimidação

O actor observa-nos tentando desconstruir a nossa personagem.

domingo, outubro 16, 2005

Uma vergonha!

Tinhamos prometido não falar de futebol por uns tempos, mas uns tempos já passaram e eis que...

Acabo de vir de Alvalade e o meu sentimento é de vergonha, vergonha neste momento dos adeptos do Sporting, vergonha neste momento dos adeptos em geral. É verdade que os adeptos portugueses andam impacientes, houve crise no Benfica no início da época, ontem começou ou não uma crise no Porto e a do Sporting já dura desde o final da época passada. Os insultos, os assobios, os lenços brancos, até parecemos lampiões. Não percebo e dá-me raiva. Se havia coisa que mais me orgulhava de ser adepta do Sporting, era por causa do apoio incondicional dos adeptos em qualquer altura. Há duas semanas ganhámos e os mesmos do costume foram sacrificados, hoje perdemos e a história repetiu-se. As pessoas vão para o estádio parece que descarregar os seus problemas pessoais em cima de um homem (hoje já foi em cima de dois). Esse mesmo homem deu-me das maiores alegrias da minha vida a época passada: ver a minha equipa na final da Taça UEFA no seu estádio, e isto nunca mais se vai repetir, acreditem. Tudo bem que os quases não contam, quase fomos campeões também... mas dão esperança e prolongam a felicidade por mais tempo.

Alguém tem de ser responsabilizado, é certo, mas as pessoas não podem ser ingénuas ao ponto de acreditar que esse mesmo homem esqueceu-se de como treinar uma equipa durante as férias do Verão, comentaram isto na rádio e eu acredito. Ele sempre teve o problema de não ter pulso, tudo bem, mas isso não foi impedimento para termos, o que foi considerado até por treinadores do estrangeiro, o melhor futebol do mundo. Acredito também que os jogadores não desaprenderam a jogar à bola e por isso estão a boicotar o treinador e/ou a direcção. A verdade é que a equipa não é a mesma, e faltam lá peças fundamentais como Rochemback, Pedro Barbosa, Enakarire e até o Hugo Viana, o próprio Moutinho já não é o mesmo, desamparado naquele meio campo. E talvez, se os jogadores se pudessem demitir os insultos a meu ver, também a eles eram dirigidos, e isto desmoraliza qualquer um, ser assobiado desde o início do jogo. Parece que já nada interessa, mesmo jogando bem, ganhando ou perdendo, tenho vergonha principalmente daqueles que só sabem dizer "Mete o Pinilla", como se tudo se resumisse a um novo herói que apenas marcou 4 golos na época transacta.

Uma vergonha!

terça-feira, outubro 11, 2005

No caminho certo à procura da oportunidade


You Should Get a MFA (Masters of Fine Arts)

You're a blooming artistic talent, even if you aren't quite convinced.
You'd make an incredible artist, photographer, or film maker.

segunda-feira, outubro 10, 2005

Hoje sinto-me... sonhadora!






Louis Garrel

sábado, outubro 08, 2005

Um mundo chamado Barcelona


Cada vez que vou a Barcelona venho de lá mais apaixonada, e a vontade de lá viver vai saindo do subconsciente...

Como diria alguém que conheço... fantástica! Uma miscigenação de culturas, de estilos, de nacionalidades, de modus vivendi. É sem dúvida uma cidade em que se respira vida!

Percorri a cidade inteira a pé! (os pés da minha mãe, é que não acharam muita piada, e os meus... bom, os meus agradeceram o facto de eu não ter amor ao dinheiro e estarem bem aconchegados!) Senti-me incrivelmente em casa, já não é preciso mapa, nem da Diagonal ou da Gran Gracia para servir de referência... Fiquei vizinha da Casa Batló, da La Predrera, de todas as grifes... valeu-me o bolso de consumista estar vazio! Aquela Passeig de Gracia levar-me-ia à falência num instante, não fora eu já andar em falência-técnica...

Percorrer toda a cidade trouxe-me uma paz incrível, que nunca pensei que fosse possível alcançar a passear num meio urbano! Foi, de facto o que me marcou. A cidade em si, mais do que todos os “pontinhos Gaudi”, que já conhecia, mas que para mostrar à Mãe revisitei, mais do que a fascinante Fundação Miró, que sempre tinha ficado por ver... e que ADOREI! Barcelona é de facto um pequeno mundo! Muitos turistas, obviamente, mas até estes parecem estar enquadrados. Barcelona não é da Catalunha, muito menos da Espanha, mas do Mundo!

Depois de me sentir a transbordar, de repente senti um vazio... é tão estranho estar em Barcelona e não estares aqui comigo... sabes, quando voltares (sim, porque sei que se trata apenas de quando) não sei se não irei contigo...

Bom, e depois veio a lição... a Sambila tem a mania que até habla castellano, mas é mesmo só a mania! Foi à farmácia comprar um penso rápido para os pés da Mãe e pede compressas. A sra. farmacêutica muito simpática indica-me o sítio da farmácia (que parecia mais ali o jumbo, onde cada um tira o que quer e depois leva à caixa) onde estavam as tais compressas! Pois bem, deparei-me com a prateileira dos Evax, Ausonia, etc e tal... claramente, o meu espanhol já teve melhor dias! Se tivesse feito como normalmente e dissesse penso ou pensito, com entoação “espanholesa” teria evitado a risota da minha Mãe e da farmacêutica!

sexta-feira, outubro 07, 2005

Vou a tua casa




Uma casa em Torres Vedras, Lisboa ou Londres. Um bar de alterne, uma igreja, um museu, uma estátua. O espectáculo chama-se VOU A TUA CASA, o actor Rogério Nuno Costa. Já foi a casa dos espectadores, já se encontrou com eles num espaço público e agora está à espera, na sua própria casa. Que o espectador toque à campainha e diga “é para ti”. Uma trilogia teatral perto do fim. Ou do princípio.

A razão da ausência dela

A marygold não tem aparecido. Aqui fica a complicadíssima razão que a impede de escrever no blog: não tem internet. Complicada não porque seja algo de outro mundo. Complicado porque os srs da netcabo já foram 2 vezes à cada dela e nada! "Você não tem potência suficiente." Ou etnão os srs da netcabo é que são uns "anhantes" de primeira.